Agosto – O começo


Eu deveria estar dormindo, afinal, trabalho daqui a 5 horas. Porém, estou aqui com a cabeça cheia de coisas. Por mais silêncio que faça, o ruído mental é grande. É, vida de adulto não é fácil.

A realidade é o ruído mental, desgaste, cansaço, desmotivação. Mas, no fundo, no fundo, está tudo bem. Eu tenho um teto, comida e a família, na medida do possível, está bem. E é o que importa.

Eu ando surtando, mas cheguei em uma parte da vida em que, por mais sofrido que seja, eu sei que é uma fase para coletar aprendizados. E esse é o ciclo da vida. Ou você resolve aceitar e aprender ou você fica estagnado reclamando todo dia.

Se eu tivesse ficado reclamando todos os dias, nos últimos 20 anos, o fato de que meu sistema imunológico parou de funcionar aos 10 anos de idade e que tenho que fazer um tratamento mensal, que dura 6 horas de infusão no hospital, de um remédio feito de sangue, e que muitas vezes no ano não tem o remédio no SUS por ser remédio de alto custo, eu não teria vivido o que vivi.

Além de tudo, lembrei que eu não posso tomar certas vacinas, somente aquelas que têm o vírus morto, então, por mais que saia a vacina do COVID, eu vou ter que ficar presa em casa esperando a população mundial tomar a vacina pra eu não sentir mais medo de sair de casa.

Por maior que pareça o problema relatado e que eu esteja fazendo esse tratamento mês sim, mês não, agora, na época de pandemia, por falta do remédio no SUS, eu não estou surtando por causa disso. Isso porque minha saúde é estável e minha qualidade de vida é muito melhor do que os outros pacientes. Sou muito grata pela vida que tenho. Sério. As outras pessoas que fazem o tratamento estão sofrendo, tem gente que tem que tomar toda semana. E, eu só não preciso porque tenho menos crises. É arriscado, mas por decisão própria, resolvi tomar mais espaçadamente.

Eu ando surtando por questão profissional mesmo. Eu, finalmente, encontrei um caminho e, algo que eu gosto de fazer, mas algumas pedras no caminho, estão me mantendo estressada por mais tempo do que eu mesma esperava. Eu cheguei ao ponto de ter pesadelos. E, não é nem porque eu não gosto do trabalho, ao contrário, por gostar tanto do trabalho, por me esforçar tanto, eu acabo me chateando com algumas situações cotidianas, sabe?

Sim, acredito ser uma fase de desenvolvimento e evolução, mas vivo com preocupações. Eu me preocupo tanto com as pessoas, não só no trabalho como na vida. E, algo que sempre me chateou foi falta de consideração. Acredito sim, que crio certas expectativas e tento me controlar muito quanto a isso, mas nem sempre consigo.

No dia a dia, sou reconhecida por muitas pessoas e recebo muitos elogios. Logo eu, alvo de chacotas na escola, que não estava acostumada a receber elogios.

A verdade é que eu me surpreendi comigo mesma nas minhas entregas dos últimos meses e, foi a primeira vez que me senti super segura e capaz, na vida. E, foi um momento muito importante para mim. Mas, por causa de algumas pessoas, foi como se eu perdesse esse momento, mesmo que não tenha perdido.

É aí que a gente vê que, quem escolhe se o que vem de fora é “agressão” ou não, somos nós mesmos. E, pensando bem, é hora de bloquear isso e só pensar no que conquistei, tudo é lição.

Esses dias, estava falando com umas amigas sobre se motivar, se desmotivar, evoluir, estagnar, ter medo, perder medos, mudar e não querer mudar. E, chegamos à conclusão que, dependendo do cenário que você vive, se pensar apenas nos últimos meses, parece que não aconteceu nada mesmo, e nos leva a pensamentos negativos. E, muitas pessoas tem a mania de perguntar o que você se imagina fazendo nos próximos 5,10 anos. E isso, muitas vezes, nos deixa ainda pior, não é verdade?

A melhor pergunta a se fazer é: o que você fez nos últimos 10 anos? Você é alguém melhor do que já 10 anos? Muitas vezes, nossa mente tende a ser negativa, mas se parar realmente para pensar, nem tudo é um desastre. E, sabe de uma coisa? Não importa, não devemos nada a ninguém. Alguém paga suas contas? Não se compare com os outros, foque em pensar na sua evolução para você mesmo e não para os outros. Esse foi um erro que eu cometi na minha adolescência e até há uns anos atrás, não quero isso para ninguém. Sério. Cresça pra você, pra mais ninguém.

Eu, por exemplo, muita gente não acredita, mas já fui considerada a criança mais burra da escola e sofria bullying tanto de alunos como professores. E, pela minha vergonha, medo, timidez, dificuldade de me expressar, participei de grupos de dança, onde acabei indo para tentar encontrar uma “tribo” fora da escola mas, apesar de ter encontrado bons amigos, foi onde fui alvo de chacota apenas por ser eu mesma, por ser vulnerável, por ser criança, por me faltar malícia da maldade alheia.

E, eu era estranha, até entendo a zoeira, mas nossa, eu mudei, cara. Hoje, aos 30 anos, completos este ano, em meio à pandemia, sou uma pessoa bem mais segura, sei o que quero e o que não quero, sei o que gosto e o que não gosto, estudei na área de Exatas, Biológicas e Humanas, estudei no mínimo 5 idiomas, falo 4, morei em 5 países e 6 cidades diferentes, visitei 21 países.

Eu gosto do que me tornei e de onde cheguei. Tenho um bom trabalho, tenho meus empreendimentos, investimentos, e continuo ativa, sempre aprendendo e planejando coisas novas. O segredo para surtar menos é nunca parar.

Eu ainda surto, mas surto quando me sinto presa ou quando algo não acontece como o esperado. Choro, esperneio, me chateio, mas, como uma boa taurina, não desisto, sou persistente. Então, analisando os últimos 10 anos…Eu tô ótima.

Então, o segredo é: “continue a nadar”. E, sim, se precisar, chore, se precisar grite, se precisar, descanse. Mas não desista.

É isso, deixa eu tentar dormir. Trabalho daqui a 4 horas. É que quando vem a inspiração, não consigo parar. Haha

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s